Edição impressaConfira a última edição impressa

Homenagem à Dona Claret Freitas

Falar sobre essa pessoa tão maravilhosa e marcante na história de Borda da Mata, com poucas palavras, é um grande desafio, sua vida certamente comporta um extenso livro de memórias, realizações e ensinamentos. Claret Delfina de Freitas Reis Rocha, nossa inesquecível Dona Claret Freitas, é uma referência em Educação na nossa cidade. Trabalhou na Escola Estadual Lauro Afonso Megale, o “Gelam” e foi no Colégio Nossa Senhora do Carmo que marcou época formando gerações de professores, pupilos esses que até hoje carregam os valiosos ensinamentos da grande educadora.

Esposa dedicada, mãe zelosa dos filhos Luciano e Lucas, avó coruja de seus netos aos quais sempre devotou muito cuidado e amor. Claret sempre foi símbolo de família, lembrando saudosa de seus pais, falando sempre dos irmãos. Faço memória aqui do Antônio (esposo da Dr.ª Ofélia) e do Fran, que também foram meus grandes amigos, que agora contemplam da Glória Celeste juntamente com a irmã e com todos os familiares já falecidos.

Fui vizinho de Dona Claret quando ela morou no bairro Nova Borda. Nessa época seu esposo Tarcísio ainda era vivo e sempre mantive bastante contato com o casal. Anos mais tarde recebi um recado dela solicitando minha presença em sua residência, na época, próximo do Colégio, onde me surpreendeu doando quase 200 livros para o meu acervo particular. Nós sempre compartilhamos esse amor pelos livros, motivo pelo qual ela me deu esse maravilhoso presente que nunca vou esquecer.

Trabalhamos juntos quando ela foi Secretaria Municipal de Saúde por um período na gestão do prefeito Benedito Cobra Filho (Cobrinha) e tive a imensa honra de acompanhá-la em importantes reuniões, auxiliando no Conselho Municipal de Saúde e lhe dando suporte administrativo. Outra ocasião que estivemos juntos e vou guardar com muito carinho foi em 2019, durante o Festar Literário, quando lancei meu livro “Escritos, proseios& cantorias”, no Plenário da Câmara Municipal de Borda da Mata. Ela foi responsável pela revisão do livro “O coração que carrega” de autoria de meu grande amigo e poeta Adriano Vox. Participou ainda como entrevistada na Dissertação de Mestrado em História Social intitulada “Dezesseis de Julho: Festa, Memórias e Vivências na cidade de Borda da Mata-MG” do professor Cleyton Antônio da Costa pela PUC-SP.

A memória de nossa amada Dona Claret Freitas permanecerá viva pelas gerações vindouras como símbolo daquela pessoa de fala suave, ensinamentos profundos e de uma disciplina inigualável. Borda da Mata manterá gravada em sua história o legado dessa grande educadora, que sempre amou ternamente a sua terra e teve filial devoção pela padroeira Nossa Senhora do Carmo.

Léo Guimarães é Escritor, Imortal da Academia Pouso-alegrense de Letras

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protected by WP Anti Spam