Edição impressaConfira a última edição impressa

Onze partidos já estão aptos a receber valores do fundo eleitoral neste ano

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) informou nesta 4ª feira (19.ago.2020) que 1/3 dos partidos políticos (11 siglas) já estão aptas a receber os repasse do Fundo Eleitoral referente às eleições municipais de novembro.

Contabilizando somente as 11 legendas já regularizadas, o montante separado a elas soma R$ 797,6 milhões. Esse valor equivale a 39,2% do cofre total do fundo, de R$ 2,03 bilhões.

Eis os partidos aptos e os valores que receberão cada:

  • PSL– R$ 199,4 milhões;
  • PSD– R$ 138,8 milhões;
  • PSDB– R$ 130,4 milhões;
  • PL– R$ 117,6 milhões;
  • PTB– R$ 46,6 milhões;
  • Solidariedade– R$ 46 milhões;
  • Patriota– R$ 35,1 milhões;
  • PSC– R$ 33,2 milhões;
  • Rede– R$ 28,4 milhões;
  • PV– R$ 20,4 milhões;
  • PMB– R$ 1,2 milhão.

Para confirmar o acesso ao fundo, os partidos devem definir os critérios para a sua distribuição. Eles devem ser aprovados pela maioria absoluta dos membros dos diretórios nacionais de cada agremiação e, posteriormente, informados e certificados pelo Tribunal.

Há outras 4 legendas que já enviaram suas petições ao TSE, mas elas estão em fase de diligências. São elas:

  • PP– R$ 140,6 milhões;
  • Republicanos– R$ 100,6 milhões;
  • DEM– R$ 120,8 milhões;
  • DC– R$ 4 milhões;

Por outro lado, duas siglas renunciaram ao recebimento dos repasses do fundo: o Novo, que teria direito a R$ 36,5 milhões; e o PRTB, com R$ 1,2 milhão. Esses valores são devolvidos ao Tesouro Nacional.

Como é feita a distribuição

O TSE explica os critérios para a divisão dos valores repassados a cada partido registrado na Corte:

A Lei das Eleições prevê que os recursos do FEFC devem ser distribuídos, em parcela única, aos diretórios nacionais dos partidos, observados os seguintes critérios: 2% divididos igualitariamente entre todas as agremiações com estatutos registrados no TSE; 35% divididos entre aquelas que tenham pelo menos um representante na Câmara dos Deputados, na proporção do percentual de votos por elas obtidos na última eleição geral para a Câmara; 48% divididos entre as siglas, na proporção do número de representantes na Câmara, consideradas as legendas dos titulares; e 15% divididos entre os partidos, na proporção do número de representantes no Senado Federal, consideradas as legendas dos titulares.

Fonte: Poder360

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protected by WP Anti Spam