Edição impressaConfira a última edição impressa

Remédios impróprios para consumo de empresa clandestina são descartados pela Vigilância Sanitária em Borda da Mata

Uma insulina para tratamento de diabetes ou remédio para controle de pressão arterial deve ser armazenado com temperatura entre 2ºC a 8ºC graus, no entanto, uma empresa que se instalou em Borda da Mata sem alvarás de funcionamento e sanitário e sem condições mínimas de armazenamento, recebia e distribuía medicamentos a farmácias e drogarias da região com temperatura entre 31ºC a 46ºC graus. O paciente que compra este medicamento armazenado e transportado incorretamente pode ter o tratamento prejudicado e até levar a pessoa à morte por complicações da doença. O responsável pelo Serviço de Vigilância Sanitária de Borda da Mata, Matheus Gabrili, explica que “é como se a pessoa não estivesse sendo medicada ou então bebendo água. Não faz efeito.” Pelo menos um terço (1/3) das mercadorias (medicamentos termolábeis) estavam fora das condições de uso.
No dia 31 de janeiro de 2019, após denúncias anônimas e o acompanhamento de atividades durante uma semana, o serviço de Vigilância Sanitária, da Secretaria Municipal de Borda da Mata, interditou um galpão clandestino de remédios que armazenava e transportava medicamentos de forma irregular. No sábado, dia 02 de fevereiro, os responsáveis pela empresa apresentaram a documentação para recuperar os medicamentos que ainda estavam em boas condições, bem como o credenciamento de veículos e a adequação de refrigeração para o transporte da mercadoria para local devidamente regularizado.
Para continuar com as atividades em Borda da Mata ou em qualquer outra cidade do Brasil, a empresa precisa se adequar com os alvarás, sanitário e de funcionamento, adequar as estruturas para armazenamento dos medicamentos, além do transporte com carros devidamente registrados, higienizados, dedetizados e refrigerados.
O local que não tinha alvarás foi interditado e os medicamentos apreendidos. A empresa responsável, que é de Belo Horizonte, já teve uma filial interditada em Pouso Alegre, também pela Vigilância Sanitária. A empresa instalada em Borda da Mata responde processo administrativo sanitário da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e também processo judicial com investigação da Polícia Civil.
A secretária de Saúde, Rosaly Esther, chama a atenção para a importância da comunidade na fiscalização por meio de denúncias anônimas que ajudam as autoridades a investigarem possíveis irregularidades e possam intervir em benefício da população.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protected by WP Anti Spam