Edição impressaConfira a última edição impressa

Novo medicamento contra hepatite C é aprovado no Brasil

A biofarmacêutica global Bristol-Myers Squibb informa que o Ministério da Saúde aprovou a autorização para comercialização do medicamento Daklinza (daclatasvir) no Brasil.

Daclatasvir é o primeiro inibidor pan-genotípico do complexo NS5A aprovado no país que permite o uso em combinação com outros medicamentos para o tratamento de infecção crônica pelos genótipos 1, 2, 3 e 4 do vírus da hepatite C (HCV) em adultos, possibilitando um período de tratamento menor (12 ou 24 semanas) em comparação ao período de 48 semanas de tratamento com regimes à base de interferon e ribavirina.

Adotado em combinação com sofosbuvir, consiste em um regime totalmente oral, livre de interferon, que proporcionou taxas de cura de até 100% em estudos clínicos, incluindo pacientes com doença hepática avançada, genótipo 3 e aqueles com falha do tratamento com inibidores da protease.

Esta aprovação está em linha com a necessidade de o governo disponibilizar rapidamente aos pacientes medicamentos mais modernos para combater a doença em território nacional. “A entrada em nosso país de mais uma opção para o tratamento da hepatite C desenvolvida pela Bristol reforça o compromisso que temos, junto ao governo, em apoiar a saúde dos cidadãos brasileiros através de uma política de acesso universal para o tratamento desta doença grave”, afirma Gaetano Crupi, presidente da Bristol-Myers Squibb no Brasil.

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil é um dos primeiros países do mundo a implantar a nova geração de medicamentos para as hepatites virais e também foi um dos pioneiros na implantação dos medicamentos inibidores de protease. O objetivo é atender aproximadamente 50 mil pacientes que não respondem bem ao tratamento disponível na rede pública atualmente.

Compromisso da Bristol-Myers Squibb no combate à Hepatite C

Por mais de 50 anos, a biofarmacêutica global Bristol-Myers Squibb tem se dedicado à pesquisa biofarmacêutica para descobrir, desenvolver e fornecer medicamentos inovadores que ajudem a melhorar a vida dos pacientes a vencer doenças graves.

No combate à hepatite C, a empresa é focada no desenvolvimento de medicamentos inovadores que contribuam para a cura da doença, minimizando o impacto dos efeitos colaterais no organismo dos pacientes com necessidades não atendidas.
A Bristol-Myers Squibb tem um portfólio de medicamentos aprovados, um dos mais abrangentes pipelines de virologia na indústria biofarmacêutica e conta com estudos avançados das substâncias asunaprevir, beclabuvir e daclatasvir, cujos resultados dos estudos mais recentes demonstraram sua eficácia mesmo entre os pacientes com doença hepática mais avançada. Na última reunião da Associação Americana para o Estudo de Doenças do Fígado (AASLD), realizada em Boston, a Bristol apresentou dois estudos de fase 3 com este trio de medicamentos em pacientes cirróticos e não cirróticos.
O objetivo é viabilizar novos regimes orais sem interferon e ribavirina, que têm o potencial de alcançar a cura virológica em uma ampla gama de pacientes, incluindo aqueles com doença hepática avançada e cirrose. A empresa acredita que os pacientes ainda têm uma série de necessidades não atendidas.
A BMS também é comprometida com a educação e apoio para transformar os resultados clínicos em benefícios para pacientes com hepatite, através de colaborações inovadoras com foco nas necessidades médicas não atendidas, advocacy e nos debates políticos sobre o tema.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Protected by WP Anti Spam